A Alma dos Anjos

Quando o Rei tentou falar novamente com o anjo,
este não mais lhe aparecera. Desde aquela manhã
em que vira a vela a se acender (em "O Rei Mendigo"),
ele não mais sentiu ou viu a presença do anjo.

Mas ele sempre lembrava das falas do Anjo,
quando lhe disse que ele nunca estaria sozinho.

Certo dia, indo o Rei passear entre o povo,
hábito ao qual se havia comprometido consigo
mesmo a fazer, ao menos uma vez por semana, ele
avistou um jovem, sentado em uma pequena mureta
contando um caso para uma criança.

Ele se interessou pela cena e resolver se aproximar.
O Menino maior, contava a seguinte estória:

"Havia no alto do morro, uma senhora mais velha
que a muito morava sozinha."
"Ela havia perdido o marido muito cedo e se
recentia com Deus por ter ficado sozinha."
"A todos que a procuravam, ela tratava com
aspereza e grosseria. Diziam que ela não
gostava de ninguem e nem da vida"
"Certo dia, apareceu-lhe um beija-flor muito
azul, no jardim à frente de sua casa."

O Rei, interessado na estória, interpelou o menino:
"Mas como uma mulher tão amarga poderia ter um jardim
na frente de sua casa?"
O Menino respondeu:
"Bem, este jardim, havia sido plantado por seu marido.
Por isso, ela cuidava dele com muito afinco."

O Menino, voltando-se para o garoto, continuou:
"Então, ela, quando viu o beija-flor, assutou-se
com ele e pensou que poderia ser uma mensagem de seu
marido, pois ele plantou aquele jardim para vê-los,
mas nenhum havia aparecido por lá, até então."

"O Beija-Flor, saltou e voou por sobre cada uma das
rosas, e, às vezes, olhava para a senhora, do lado
de dentro da casa. Depois ele voou para bem longe..."

"À noite, quando a mulher foi dormir, o marido
lhe apareceu em sonho, vestido com uma roupa azul."
"Ela o olhou maravilhado e disse:"
"Meu bem, por que partiste, sinto tanta falta sua?"
"Ele a olhou fundo nos olhos, mas nada disse."
"Ele tinha um caderno nas mãos, e nele, aparecia
uma flor desenhada e uma mulher sentada, à sua
frente, segurando-a."
"A mulher olhou firmemente a imagem no caderno,
e viu que uma gota de sangue, saía-lhe das mãos
exatamente onde ela segurava a flor, por causa
de um dos seus espinhos."
"Então, ele olhou para ela (o marido) e lhe disse:"
"Meu bem, não preste atenção nos espinhos e sim
na rosa."
"Após falar isso, ele levantou-se e seguiu por
uma longa estrada que havia atrás dele."
"O sonho se desfez e logo ela acordou..."

O Rei, ainda interessado na história, perguntou:
"Só isso? Ele não falou mais nada.. Não aconteceu
mais nada?"

O Menino, olhando novamente para o Rei, falou:
"O Sonho foi só isso. Mas dizem que desde aquele
dia, ela foi mais amável com as pessoas que
a visitavam..."

O Rei, insatisfeito com o fim rápido da estória,
foi-se dali, ainda pensando nela..."

À noite, o Rei sonhou novamente com o Anjo.
Após tanto tempo, este lhe apareceu, vestindo
uma roupa azul e disse-lhe:"

"Não te falei que muito do que poderíamos-lhe
dizer, não irías entender..."
Sem mais dizer, ele alçou vôo e se transformou
em um lindo beija-flor azul e se foi..."