A Volta do Anjo

A muito o Rei, se perguntava,
pelo Anjo que havia lhe aparecido em sonho.
Também se perguntava, porque os Anjos não se pronunciavam sempre
Achava que a sabedoria deles deveria ser dada aos homens,
Que eles deveriam lhe ensinar mais sobre as coisas.

Após longos anos do fato, em certa noite,
veio-lhe novamente o Anjo

Ele lhe apareceu em seu quarto, como um homem normal
Porém, rodeado de uma luz branca, que cintilava à sua volta.
O Rei, assustado com aquela figura, mas feliz em vê-lo,
Perguntou-lhe:

"Você me veio, em meus sonhos e muito me ensinou.
Por que não vens sempre aos homens, para inspirar-lhes sabedoria?"

O Anjo, fitando-lhe profundamente, respondeu:

"Sempre há um Anjo perto de Ti. Vocês é que não os veem.
E mais,
A divindade sempre está a alertar-lhes sobre seus caminhos...
Vocês é que não lhes dão ouvido...."

"Sabes aquele pensamento que vem à tuA MENTe,
Que questiona contigo o que fazes,
Muitas vezes é ele que vos fala."

"Sabes aquele sentimento profundo de doação,
que sentes às vezes, por aqueles à sua volta, que sofrem...
É ele que está contigo, neste pensar..."

"Muitas das vezes, ele lhe mostra algo, que é importante,
Mas para os homens, naquele momento, parece não ter importância..."

"Enfim, tu e os outros, estão sempre sendo acompanhados,
Mas não ouves, não vê e não entende."

"Se Deus lhes desse a Pêrola de sua sabedoria,
Acharias que é uma pedra fosca sem valor..."

O Rei, em profundo pesar, respondeu:

"Anjo, sei que é assim, mas os homens sofrem de carência...
Carência de Deus e de ajuda. O Que poderias fazer mais?"

"Posso lhe dar o conhecimento. Mas com ele, dar-te-ei a
responsabilidade de tê-lo e a obrigação de passa-lo.
Aceitas?"

O Rei extremeceu com a possibilidade, mas disse:

"Sim! Aceito... O que devo fazer ou aprender?"

"Olhe cada ser como um igual a ti, de mesma capacidade,
de mesma condição e de mesmos direitos..."

"Procure na natureza, as leis que a regem... Observe-a com Atenção!"

"Olhe para os homens a tua volta e pergunte-lhes por que sofrem..
Quando lhe responderem, olhe-os com paixão, puxe a respiração e fale..."
Estas palavras que lhes vão sair, não serão suas, mas dele,
DiretAMENTe ou indiretamente, atravês de um de seus emissários"

"Se ao invês disso, ficares mudo, respeita este silêncio
E ore por aquele que ajudas. Em dado momento, se este não o for,
Algo lhe sobrevirá À MENTe, para fazer ou falar..."

"Sinta a Terra como tua casa e aos homens e seres como teus hóspedes..
Trate-os, igualmente, com carinho e atenção. Observe-os, sinta-os..."

"Depois, quando muito fizeres do que falo, chame-me novamente."

Após estas últimas palavras, o Anjo desvaneceu assim como veio.
O Rei se pós a pensar e pensar....